Escute os Sons Sagrados

Em todos os tempos e religiões, o som esteve presente, desempenhando seu melhor papel: nos conectar a algo superior

6 minutos de leitura

“De todas as manifestações artísticas, a música é a menos material. E por ser tão abstrata, sensorial, é a que possibilita  maior dimensão espiritual”, diz o maestro Jetro Meira de Oliveira, doutor em regência e musicologia pela Universidade de Illinois, nos Estados Unidos, e professor do Departamento de Música do Centro Universitário Adventista, em Engenheiro Coelho, São Paulo. 

Oliveira tem uma tese para sustentar sua afirmação. É que ele pesquisou como as práticas musicais litúrgicas islâmicas, judaicas e cristãs podem contribuir para o desenvolvimento da espiritualidade (independentemente de a pessoa ter ou não religião) e se há características musicais que apontam para este sentido.

O trabalho permitiu, ainda, notar que a música ajuda a pensar em uma existência superior. “A humanidade não se contenta com o cotidiano; precisa de um sentido maior para a vida. Um dos mistérios observados é que a música parece fazer essa conexão”, conta.

O que seriam os sons sagrados?

Mas, afinal, quais sons é o que nos colocam em contato com uma dimensão superior para, então, serem chamados de “sons sagrados”?

De acordo com o maestro, “Existem experiências místicas e existem os fenômenos que conseguimos explicar cientificamente. O que se sabe com certeza é que mantras e círculos de tambores, por exemplo, facilitam um relaxamento da mente lógica que pode ser favorável à prática meditativa”, diz. 

“Experiências de transe, em diferentes religiões, também estão associadas a um tipo de música caracterizada pela repetição melódica e rítmica, a intensidade do som e, superimportante, a propensão da própria pessoa a ter essa vivência”, complementa ele.

Resumindo: o som, para ser sagrado, deve ser uníssono, ter o alcance melódico reduzido (sem contrastes, isto é, sem agudos ou notas graves que se destaquem) e precisa contar com uma pré-disponibilidade à conexão espiritual por parte de quem o escuta.

É o caso dos exemplos citados acima e dos cantos gregorianos, cujo grande propósito na Idade Média era transportar o ser humano para além deste mundo.

“Imagine uma catedral com pé direito gigante, sem luz elétrica, com vitrais coloridos filtrando o resto de luz de Sol no final do dia e criando um efeito caleidoscópico. E, então, imagine a música tocando. Tudo isso cria um portal para outra dimensão”, descreve Jetro.

O som como terapia e bem-estar

Quem mantra, quem canta, quem reza sente quão vigorosa é a vibração de determinadas sílabas, frases, melodias dentro do peito. E não apenas o espírito se beneficia.

Como verificou uma pesquisa de 2016, o som produzido pelos sinos tibetanos (também conhecidas como tigelas cantantes) reduzem o estresse, a agressividade, bem como a depressão e a fadiga. 

Tanto que, em um trabalho pioneiro, o oncologista Mitchell Gaynor, da Weill Cornell Medical College for Medicine of Medicalness, conhecido pelo trabalho com medicina integrativa e autor do livro Sons que Curam (Ed. Cultrix), utilizou o som desses instrumentos profundamente relaxantes como tratamento complementar de seus pacientes.

Gaynor observou que, enquanto ouviam as tigelas tibetanas, seus pacientes apresentavam batimentos cardíacos constantes, respiração tranquila, e os níveis de hormônios do estresse diminuíam e a produção natural de substâncias de bem-estar como as endorfinas se iniciava.

Em Mairiporã, no interior de São Paulo, o Spa Unique Garden apresenta uma terapia sonora contra o estresse. O cliente se deita em uma mesa (a mesa lira) com uma caixa acústica embaixo e toda preenchida por cordas afinadas em uníssono que serão tocadas pelo terapeuta.

A pessoa recebe, então, uma massagem sonoro/vibratória que alcança ossos, músculos e sistema nervoso. “O som organiza a matéria, afina a nossa frequência interna e resgata a harmonia interior. É absolutamente repousante”, conta Verena Koch Garcia, uma das responsáveis pelo procedimento.

Desfrute da conexão com sons sagrados

Em casa você também pode desfrutar da vibração sonora por meio de mantras, tigelas cantantes ou até o mero ouvir dos sons da natureza. 

Tigelas cantantes tibetanas

As tigelas cantantes tibetanas, de metal ou cristal, encontradas em lojas especializadas em produtos de meditação ou internet, produzem um som extraordinário, que mistura gongo e sino. Procure um lugar tranquilo, sente-se confortavelmente, faça algumas respirações profundas, feche os olhos e comece. Segure a tigela de metal na palma da mão e gire o bastão de madeira que a acompanha ao redor do recipiente. É esse atrito na borda que faz a tigela ressoar. “O som é uma grande âncora meditativa. Gire o bastão em torno da tigela e leve sua atenção para o som. Tente manter a mente acompanhando o som. E, se mente se distrair, traga-a generosamente de volta para o som. Repita o movimento por, no mínimo, um minuto, e vá aumentando o tempo à medida que se sentir mais à vontade”, ensina Verena.

OM

Dos hindus, outra forma simples e eficaz de conexão com sons sagrados é a repetição do OM, considerado o mantra mais poderoso de todos, capaz de aumentar a concentração, expandir a consciência e elevar o espírito. Entoe pronunciando o M pelo menos duas vezes mais longo do que o O.

Spotify

Se preferir, o Spotify também oferece opções de sons a partir de tigelas tibetanas. O aplicativo disponibiliza ainda uma miríade de sons da natureza cujos benefícios são igualmente potentes. Escolha o seu entre os sons de chuva, vento, pássaros, riacho e mar e, então, deleite-se. “Eu utilizo sempre. Para mim é música. E me conecta com algo superior, divino, lindo. Esse belo me eleva para além da vida cotidiana”, conta o maestro Jetro Meira de Oliveira.

Sua música preferida

Finalmente, o que dizer das músicas mais importantes da nossa vida? Se você se sente em conexão com o Universo toda vez que ouve Ob-La-Di Ob-La-Da, dos Beatles, faça deste seu mantra. Importante mesmo é se abrir para o profundo encantamento do som. ▲

Inspiração

O que o YAM tem pra te dizer hoje?

Um oráculo. A seção Inspiracão propõe um jeito lúdico de revelar conhecimentos que estão presentes no nosso conteúdo. Foram selecionados pela nossa equipe e você vai descobrir aquele que tem a ver com você.

Surpreenda-se