Inverno: Tempo de Desacelerar e se Aquecer

Com a temperatura predominantemente fria, a estação nos pede mudanças de hábitos na alimentação e nos cuidados com o corpo para ativar a boa digestão e aumentar a imunidade
5 minutos de leitura
01.07.2020

Uma das premissas da Ayurveda, esse sistema milenar indiano, é seguir o ritmo da natureza – seja a interna, seja a externa – pelas estações do ano. Cada fase tem características que refletem diretamente em nosso organismo. No inverno, o ressecamento dos tecidos e das mucosas é um deles, assim como o desequilíbrio da imunidade.

Hábitos rotineiros desse estilo de vida devem continuar, como acordar com o nascer do sol, raspar a língua, meditar e almoçar entre meio dia e duas da tarde (horário pitta, de agni ativo e, logo, boa digestão) e dormir cedo. Mas alguns ajustes baseados na ritucharya, nome dado pela Ayurveda aos cuidados e hábitos em nossa rotina observando as mudanças das estações, é um caminho para aproveitar o melhor da estação mantendo a saúde. E, sobretudo, conectar nosso relógio biológico ao da natureza.

“Se está frio do lado de fora, tende a ficar frio do lado de dentro. Se está quente fora, a mesma coisa. Então, o que precisamos fazer agora, no inverno, é contrariar o clima para andar de mãos dadas com ele”, traduz Alexandre Souza, instrutor do Arte de Viver e co-fundador da Sri Sri School of Ayurveda no Brasil.

Para a terapeuta ayurveda Maíra Salomão, do Saúde Elementar, é importante começar as adaptações logo no começo da estação, ou mesmo um pouco antes, com o objetivo de preparar o corpo com gentileza e suavidade.

Abacates em fruteira de madeira

O equilíbrio no inverno começa pela comida

Se no verão, com o aumento do calor, o caminho do equilíbrio é a menor quantidade de alimentos, que devem ser mais refrescantes, como saladas abundantes em hortaliças e frutas, no inverno a lógica se inverte.

Conforme o frio fica mais agudo, a nutrição pode e deve ser mais substancial. Do lado de fora temos temperaturas geladas e, algumas vezes, até mais secas – gatilhos intensos para agravamento do dosha vata.

“Nesta época, precisamos dar calor e untuosidade ao corpo”, explica Alexandre. Por isso, a preferência é uma dieta mais quente e pesada não no sentido de frituras, mas substanciais, cozida, com mais óleos vegetais, quentes e temperadas.

Para o equilíbrio sazonal, recomenda-se o consumo de algumas frutas fortes no inverno, como abacate, cupuaçu, mamão-formosa. Abóbora-japonesa, batata-doce amarela, cenoura com folhas, assadas ou em sopas, também são bem-vindas.

Recomenda-se evitar o açúcar que, segundo os especialistas, minam a imunidade e a capacidade de digestão. Alimentos industrializados também não são benéficos. “Apesar de sentirmos mais vontade de doce, não é indicado acordar e comer um doce. O açúcar branco é um veneno”, alerta Alexandre. Para o café da manhã, frutas cozinhas e mingaus são opções nutritivas, assim como, no jantar, sopas com especiarias picantes caem muito bem. (Veja uma receita saborosa de mingau aqui)

Metade de abóbora cabotiá

Chás e temperos: antídotos naturais nesta época

Colocar a ingestão de chás ao longo do dia, segundo a terapeuta Maíra Salomão, é uma forma de manter o corpo aquecido. “Mas não basta que os chás estejam quentes, eles precisam ter uma potência quente”, alerta. 

É aí que, segundo ela, devem entrar em cena canela, manjericão e gengibre, por exemplo, ótimas opções para o inverno. No preparo dos alimentos, a mesma coisa. “Vale apostar nas pimentas, que, além de aquecer o corpo, potencializam o sabor e melhoram a digestão”, sugere. As especiarias, inclusive, são valiosas para melhorar a nossa saúde, segundo a tradicional medicina indiana.

Cuidados de beleza e higiene pessoal no inverno

A oleação matinal é um hábito diário e comum em uma rotina baseada nos princípios do Ayurveda, chamada dinacharya (que já falamos mais aqui). No inverno, essa prática se faz ainda mais necessária, sobretudo com óleos mais intensos, como gergelim, em vez do óleo de coco – este, mais adequado para clima mais quente. A prática nutre os tecidos e evita o ressecamento mais comum na estação.

O recolhimento por si só já é um autocuidado das estações mais frias. Pois, conforme a temperatura vai caindo, é gentil com nosso corpo-mente-espírito desacelerar o ritmo. “Noites de sono profundo ou até dormir um pouco mais são um cuidado especial nesta época. E vale também investir em um escalda-pés com ervas. É simples e aquece corpo e mente”, sugere Maíra.

Leia também:

Inspiração

O que o YAM tem pra te dizer hoje?

Um oráculo. A seção Inspiracão propõe um jeito lúdico de revelar conhecimentos que estão presentes no nosso conteúdo. Foram selecionados pela nossa equipe e você vai descobrir aquele que tem a ver com você.

Surpreenda-se