Abhyanga: Nutrição de Fora para Dentro

Essa técnica do ayurveda utiliza óleo morno sobre o corpo e ajuda a equilibrar o funcionamento do organismo
4 minutos de leitura
02.03.2020

Fala-se tanto da nutrição de dentro para fora, mas esquecemos que ela também pode acontecer de fora para dentro. Este é um dos princípios da ayurveda, sistema milenar de medicina indiana, que se traduz, entre tantas técnicas, na abhyanga.

A abhyanga é uma das modalidades terapêuticas ayurvédicas mais conhecidas por aqui, mas passa por um equívoco: muita gente pensa que é massagem e, na verdade, não é exatamente isso.

“Não há movimentos vigorosos e de pressão nos músculos, como seria uma massagem, de fato. Há alguns toques, sim, mas feitos a partir da necessidade de cada pessoas. Por definição, abhyanga é aplicação de óleo morno na pele e tem como objetivo nutrir os tecidos”, explica Matheus Macedo, fundador do Vida Veda e idealizador do maior congresso de medicina integrativa do Brasil.

Benefícios da abhyanga

Os ganhos, não há toa, vão muito além dos corporais: nutre os tecidos, equilibra o funcionamento do organismo e ajuda a eliminar toxinas. É um momento de nutrição e de certo aconchego do corpo. Alguns dos principais benefícios são:

  • Ajuda a equilibrar o sistema nervoso 
  • Melhora a circulação sanguínea
  • Ajuda a eliminar toxinas do corpo
  • Melhora dores e tensões musculares
  • Ajuda a reduzir o estresse e tensões emocionais
  • Melhora o funcionamento gastrointestinal

Como é a abhyanga

Por via de regra, uma abhyanga dura de 45 minutos, podendo ser mais longa. E, apesar de uma modalidade terapêutica gentil e prazerosa, há algumas restrições. A principal delas é a indigestão. “No ayurveda a digestão é muito importante, seja do que comemos, escutamos e até enxergamos ou absorvemos pelo contato com o corpo. Pessoas com má digestão não devem fazer”, diz.

E não é qualquer óleo que é usado na técnica. Além de ser um óleo aquecido, precisa ser 100% vegetal, de preferência orgânico ou prensado a frio. Em alguns casos, há o uso de óleo medicado, processado de maneiras diferentes com ervas específicas. Cada dosha também sugere modificações e tipos diferentes para ajudar a restaurar o equilíbrio.

E a aplicação do óleo, que vai da cabeça aos pés, é abundante e generosa. Matheus conta que, na índia, aplica-se até meio litro mas, no Brasil, costuma ser menos. “São infinitas as escolas de técnicas e metodologias de oleação. Há variações”, diz.

Como aplicar óleo morno em si

Se como tratamento a abhyanga pode ser feita semanalmente ou conforme indicação do terapeuta, a versão para fazer em casa pode ser praticada diariamente, inserida no dinacharya, a rotina diária do ayurveda. Segundo Matheus, nesse caso, uma ou duas colheres de sopa de um óleo vegetal é o suficiente – ele indica o gergelim, que é um curinga.

“O ideal é fazer pela manhã, antes da atividade física, por exemplo. A pessoa aquece o óleo em banho-maria, e aplica em si mesma começando da cabeça e indo até os pés. Faz a atividade e, depois, remove. Se não puder se exercitar, a recomendação é deixar o óleo no corpo por cerca de meia hora e se lavar. É muito importante remover o óleo”, orienta.

Inspiração

O que o YAM tem pra te dizer hoje?

Um oráculo. A seção Inspiracão propõe um jeito lúdico de revelar conhecimentos que estão presentes no nosso conteúdo. Foram selecionados pela nossa equipe e você vai descobrir aquele que tem a ver com você.

Surpreenda-se