5 Segredos da Amazônia

A Floresta Amazônica é palco de fenômenos complexos que sustentam a vida. E fascinantes descobertas científicas ajudam a comprovar como ela é essencial – e precisa ser preservada
7 minutos de leitura
02.09.2020

No seu aniversário, o que você pede quando corta o bolo de baixo para cima? Que seus sonhos se realizem? Poder comprar uma casa e um carro? Ou vai de saúde que o resto a gente corre atrás? Os desejos variam, mas aposto que você nunca pediu chuva na medida certa, um clima ameno e proteção de eventos extremos. Tá certo que seriam pedidos excêntricos. Mas só não pedimos nada disso porque ganhamos de bandeja: a generosa mãe Amazônia garante boa parte desse conforto para quem vive no Norte, no Centro-Oeste, no Sul e no Sudeste do Brasil. Há muita sabedoria na Floresta Amazônica e quero compartilhar algumas delas com você.

A ecohidrologia é o campo de conhecimento que estuda como a água influencia a vida nos ecossistemas. Se eu te contar os segredos que ela tem a revelar, seu próximo bolo vai ser em formato de samaúma e você não vai reclamar nem um pouquinho se chover no dia da festa!

Por isso, neste texto, faremos um passeio pelas características fundamentais da regulação climática que a floresta amazônica em pé promove. Nosso guia é Antônio Nobre, renomado doutor em ciências da Terra que, em 2014, pausou suas escritas técnicas para escrever o livro O Futuro Climático da Amazônia, revelando porque nossa existência depende da saúde da floresta. Nesta obra, Nobre fez um compilado muito valioso. Segundo ele, é um trabalho de divulgação científica em linguagem popular. Talvez, para ele, “popular” seja sinônimo de poético, porque é de uma leitura muito rica. O livro está disponível gratuitamente aqui.

ícone de árvore respirando

1. A floresta amazônica transpira

Você olha uma árvore e acha que ela está parada, ali, sem fazer nada. Mas ela está bombeando água do solo sem parar. Uma árvore grande, como a castanheira, pode sugar mais de mil litros de água do solo em um único dia. Ao todo, a floresta amazônica transpira mais de 20 bilhões de toneladas de água diariamente. Pra você ter noção do tamanho volume que isso representa, imagine o Rio Amazonas. O volume dele é pouco mais de 17 bilhões de toneladas ao dia. Pois o rio voador fabricado pela floresta amazônica é três toneladas maior! A floresta mantém ar úmido em movimento. Carrega esses imensos volumes continente adentro, onde a brisa oceânica não chegaria sozinha.

ícone de folha

2. Aromaterapia da chuva

Há tempos que a formação das chuvas na amazônia intriga meteorologistas. Isso porque o ar de lá é limpo demais. Não conta com as poeirinhas necessárias para que o vapor d’água se agregue formando nuvens. Uma descoberta recente acabou com o mistério. As micro gotículas de vapor d’água na amazônia se acumulam ao redor de partículas originadas pelos “cheirinhos da floresta”! Explico: gases perfumados (terpenos para os íntimos!) emitidos pelas plantas na atmosfera se oxidam e formam uma poeirinha muito fina que atrai água, gerando nuvens. Agora, cientistas também investigam se esses mesmos gases são os responsáveis por purificar o ar amazônico que é famoso pela baixa concentração de ozônio. Há grandes indícios de que plantas amazônicas emitem algum tipo de vitamina C, antioxidante, que promove uma limpeza natural do ar.

ícone de setas para cima

3. Estratégia de sobrevivência

Esse terceiro segredo é uma daquelas descobertas que balançam todo o campo científico! Ao que tudo indica (e as evidências confirmam) a floresta amazônica desenvolveu uma estratégia para sobreviver a grandes secas. Segundo a teoria da bomba biótica, quando um período de estiagem se aproxima, as árvores da floresta que têm raízes profundas mudam seu funcionamento e passam a bombear mais água dos lençóis subterrâneos, aumentando sua transpiração. Com isso, conseguem manter a umidade do ar elevada, que é justamente o que precisam para promover o fluxo de umidade dos oceanos para dentro do continente. Uma inteligência que tem por trás mecanismos complexos ainda pouco conhecidos – e que aguçam ainda mais a curiosidade da ciência.

ícone de rio voador

4. Os Rios voadores da Floresta Amazônica

Você tem um globo terrestre em casa? Se tiver, faça o seguinte: localize o Centro-Oeste e Sudeste do Brasil. Agora, olhe o que tem em outras parte do globo nessa mesma latitude. Você vai topar com os desertos da Namíbia e Kalahari, na África, e o deserto da Austrália. Se não houvesse floresta amazônica, a região brasileira que produz em agricultura e indústria quase 70% do PIB do país seria o paraíso dos… cactos! São os chamados rios voadores, fluxos de vapores atmosféricos carregados de água que, somados aos ventos úmidos vindos do Oceano Atlântico, irrigam toda essa área com fartura para a vida acontecer.

ícone de furacão

5. Furacões não gostam de florestas 

E como isso é valioso em tempos de mudanças climáticas, marcado pelo aumento na frequência de ciclones, vendavais e outros eventos extremos. Pesquisadores perceberam que a superfície florestada da amazônia atenua esse tipo de formação. Ciclones preferem superfícies desmatadas para se formar, e a superfície da floresta é muito irregular para eles. Sem contar aquele sopro dos rios voadores para atrapalhar… E quem sai ganhando somos nós! Nas palavras de Antônio Nobre, “além de todos os outros serviços da floresta ao clima, ela ainda oferece um seguro contra destrutivos eventos atmosféricos, atenuando a concentração de energia dos ventos”.

Anoitecer em paisagem da Amazônia, luz da lua reflete sobre as águas do rio. Foto: Loiro Cunha

Saber desses segredos é fascinante e nos dá a dimensão da importância científica, da conservação da floresta em pé e do desenvolvimento de uma economia que leve tudo isso em consideração. A amazônia é palco de fenômenos complexos que sustentam a vida. Uma engrenagem da qual participam milhares de seres e elementos, em uma escala que vai além do alcance do controle humano. Cabe a nós, na verdade, apenas ser parte. Afinal, a vida como conhecemos hoje depende das condições climáticas que são geradas enquanto corremos de um lado para o outro realizando tarefas que julgamos prioritárias.

Não sei se você gostou da ideia de fazer seu próximo bolo em homenagem à samaúma. Mas talvez a gente possa começar mudando nossa lista de desejos. O novo clichê precisa ser “ah, eu pedi floresta em pé, porque o resto a gente corre atrás, né?! ;-)”.

Leia também


Aline Matulja é colaboradora e expert em sustentabilidade nos contéudos YAM

Aline Matulja sentiu na infância o chamado da natureza. Engenheira Ambiental pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e mestre em Saúde Pública pela Universidade de São Paulo (USP), também é a nossa colabora e expert em Sustentabilidade. Saiba mais sobre Aline:

Inspiração

O que o YAM tem pra te dizer hoje?

Um oráculo. A seção Inspiracão propõe um jeito lúdico de revelar conhecimentos que estão presentes no nosso conteúdo. Foram selecionados pela nossa equipe e você vai descobrir aquele que tem a ver com você.

Surpreenda-se