Ghost Interview: Uma Conversa Com Vandana Shiva

A cientista e ativista ambiental luta pela biodiversidade, a preservação das florestas e é uma voz de resistência contra a indústria do agronegócio. Veja uma seleção especial de perguntas e respostas com Vandana
8 minutos de leitura
24.06.2020

A Terra é fértil, abundante e diversa. Tem plenas condições de alimentar a população mundial por meios sustentáveis e socialmente justos. Esta convicção move o trabalho da cientista, ativista ambiental e ecofeminista indiana, Vandana Shiva. Há décadas ela luta pela biodiversidade das sementes, as plantações orgânicas, a preservação das florestas e os direitos dos agricultores.

Sua voz se ergue como resistência contra a poderosa indústria do agronegócio e dos alimentos geneticamente modificados. Em reconhecimento à sua atuação, a Ph.D. em filosofia e fundadora da Navdanya – ONG que já recebeu o Right Livelihood Award (chamado de Prêmio Nobel Alternativo) – figurou no ranking das Top 100 mulheres ativistas do jornal britânico The Guardian, foi considerada uma “heroína” pela revista Time e integrou a lista das mulheres mais influentes do mundo, segundo a revista Forbes.


Ghost Interview é uma compilação de trechos de entrevistas, falas e conteúdos de personalidades que amamos.
Se quiser receber a nossa seleção exclusiva por email, pode se cadastrar gratuitamente aqui


Sua luta contra a agricultura química vem de longa data. Como desembocamos no patenteamento das sementes?

Vandana Shiva: Desde 1984 que me dedico à indústria química que veio dos laboratórios de Hitler e dos campos de concentração, e que nos trouxe os gases venenosos, e depois uma agricultura química e a chamada Revolução Verde. O meu país foi a primeira experiência da Revolução Verde com o Punjab e agora é uma terra arruinada, os solos desapareceram, as águas desapareceram. Escrevi um livro chamado A Violência da Revolução Verde. A dada altura, a antiga indústria química apareceu a dizer que precisavam de deter a propriedade das sementes porque não estavam a ganhar dinheiro suficiente a vender produtos químicos. E a única maneira de possuir as sementes é com as sementes geneticamente modificadas para que pudessem alegar que inventaram algo, pedir uma patente, cobrar royalties aos agricultores. Mas ninguém inventa a vida. Para mim, foi muito claro que havia um processo de colonização na base disto tudo.

Entrevista publicada no portal do Instituto Humanitas Unisinos em novembro de 2019

Vegetais diversos, que podem ser melhor aproveitados, como mostra o Guia Prático YAM contra o desperdício de alimentos
10 Passos para Evitar o Desperdício de Alimentos – Baixe aqui o Guia Prático

Como você define o cenário alimentar atual?

Vandana Shiva: Nossa comida está sendo corrompida e poluída com agroquímicos que não pertencem aos alimentos, sendo corrompida com traços de Organismos Geneticamente Modificados, promotores virais, antibactericidas, marcadores de resistência, toxinas resistentes a herbicidas e isso não pertence aos alimentos. Nós temos uma predominância de uma agricultura que não é um sistema alimentar. Não é um sistema alimentar porque não está atrelado à nutrição. Mas o mais significativo é que os novos produtos que estão sendo impostos em nome da alimentação são as bases para a epidemia de doenças que estamos enfrentando.

Palestra durante a 5ª Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, ocorrida em Brasília em novembro de 2015

Isso quer dizer que, ao eliminarmos a diversidade, estamos inviabilizando a continuidade da vida na Terra?

Vandana Shiva: Novas doenças estão surgindo porque um modelo de agricultura e alimentação globalizado, industrializado e ineficiente está invadindo os habitats ecológicos de outras espécies e manipulando animais e plantas sem nenhum respeito à sua integridade e saúde. A ilusão de que a Terra e seus seres são matéria-prima a serem exploradas visando o lucro está criando um mundo conectado pelo adoecimento.

Na medida em que as florestas são destruídas, nossas fazendas se tornam monoculturas industriais que produzem commodities tóxicas e vazias de nutrientes e nossas dietas se degradam através do processamento industrial com químicos sintéticos e geneticamente modificados em laboratórios, nos conectamos através do adoecimento — ao invés de nos conectarmos através da biodiversidade dentro e fora de nós, em um fluxo de saúde dentro e pela biodiversidade.

Artigo publicado no Blog da Escola Schumacher Brasil em abril de 2020

Como podemos ser mais sustentáveis no nosso consumo de alimentos para que revertamos esse triste quadro?

Vandana Shiva: Eu acho que a maneira de ser sustentável nas práticas de consumo de alimentos é ser sustentável na produção de alimentos. E a não-sustentabilidade está embutida no modelo de agricultura industrial. Temos que passar das monoculturas para a diversidade, temos que passar dos produtos químicos e insumos externos a processos ecológicos, insumos internos, o que é chamado de agroecologia, precisamos passar do comércio globalizado para a distribuição local. Para que a riqueza seja distribuída e os sistemas mais nutritivos, saudáveis ​​e mais frescos melhorem.

Entrevista concedida a Cleantech Loops em maio de 2019

As plantas alimentícias não convencionais estão presentes na agricultura sintrópica
Agricultura Sintrópica: Sabedoria da Natureza – Leia aqui o artigo

Você é contrária à globalização e sofre muitos ataques por isso. Pode explicar melhor essa posição?

Vandana Shiva: Comércio internacional não é o mesmo que globalização. Comércio forçado é globalização, por meio da qual se destrói economias locais. A meu ver, a pandemia do coronavírus e o confinamento mostraram que a desglobalização pode acontecer. Nosso relacionamento internacional se dá entre cidadãos inseridos numa civilização planetária. Não temos que movimentar produtos mundo afora e sim ideias. Temos que nos conectar por meio da consciência e não por meio da dominação de navios gigantes transportando contêineres.

Isso é tão obsceno para mim porque cresci sem eles e os vi crescerem cada vez mais. E como eles destroem a economia local? Fabricando regras escritas pelas corporações para fazer seus mercados crescerem. Por outro lado, se vou ao mercado local, minha pegada ecológica é muito menor e um relacionamento é criado nesse processo, um meio de vida. Esta é a base da “economia da permanência”, fundamentada na economia local, na redução do consumo, no cuidado com a Terra e com a comunidade.

Indian Summer Festival 2020. Vandana Shiva & David Suzuki: The Virus is a Wake-up

Qual é o papel das mulheres nessa transformação?

Vandana Shiva: As mulheres, através da vida, desenvolveram expertise. E é por isso que eu digo: no que se refere à vida, as mulheres são experts. Não porque nossos genes e biologia nos fazem assim. Mas porque nos deixar para cuidar do sustento da vida nos fez experts de uma ponte para o futuro, em que teremos que voltar à vida e às considerações de como manter a vida neste planeta. É essa sutileza que as mulheres foram capazes de nutrir e continuar, já que sempre foram relacionadas com a vida. Agora é a hora de as mulheres redistribuírem isso à sociedade.

Entrevista para Fronteiras do Pensamento em setembro de 2013


Ghost Interview é um formato criado e licenciado por Morse-News.com e tem como objetivo fazer uma curadoria mensal das principais entrevistas de personalidades em um storytelling único, organizado e fluido, apresentando opiniões, curiosidades e conhecimento sobre assuntos específicos.  Tentamos ao máximo manter as palavras e o contexto das entrevistas, mas as traduções ou mesmo adaptações podem gerar interpretações diversas. Por esse motivo compartilhamos sempre o link da íntegra das entrevistas e textos de onde extraímos os conteúdos. Cadastre-se gratuitamente para receber com exclusividade as entrevistas em seu email. ▲